Efeitos de ARAs na função plaquetária


Vários estudos demonstraram que certos ARAs (losartana, valsartana e irbesartana) conseguem inibir a agregação plaquetária e antagonizar a vasoconstrição induzida pelo tromboxano A2 independentemente do receptor AT1.

Essa ação não é compartilhada por todos os ARAs. Em uma preparação utilizando artérias coronarianas de cães suspensas em câmaras de perfusão, a losartana e seu metabólito inibiram a contração induzida por um análogo do tromboxano A2.

Essa inibição foi específica para a losartana porque não afetou a contração induzida com um agonista AT1. É provável que o metabólito da losartana, estruturalmente similar à indometacina, seja o responsável pela ação antiagregante plaquetária.

A valsartana também demonstrou capacidade de inibir agregação plaquetária. Essa inibição foi independente do receptor AT1 e ainda mais intensa para o seu metabólito.

Fonte: departamentos.cardiol.br




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares