Clonazepam contra o zumbido


A otorrinolaringologista Jeanne Oiticica, chefe do grupo de pesquisa em Zumbido do HC-FMUSP e responsável pelo Ambulatório de Surdez Súbita do Departamento de Otorrinolaringologia da FMUSP, informa se a utilização do clonazepam como medicamento é mesmo eficaz para a redução do zumbido.

Segundo a especialista, o cérebro de um paciente com zumbido é completamente diferente do cérebro de um paciente que não é acometido por este distúrbio. O desequilíbrio entre a liberação de substâncias químicas inibitórias e excitatórias é o que mais se destaca. No cérebro humano, a principal substância química inibitória e que, portanto, reduz a atividade cerebral é o GABA, e a principal substância química excitatória, que aumenta a atividade cerebral, é o GLUTAMATO.

Em parte dos pacientes com zumbido crônico persistente, a balança acaba pesando mais para a liberação de substâncias químicas excitatórias ou para a redução na liberação de substâncias químicas inibitórias.

O clonazepam age aumentando, no cérebro, a quantidade de substâncias químicas inibitórias. Portanto, ele pode funcionar em alguns pacientes, proporcionando alívio. Além disso, um distúrbio comum frequente nos pacientes com zumbido crônico é a insônia ocasional, transitória ou crônica, correspondendo a um distúrbio que precisa ser tratado nestes pacientes. O clonazepam entra também como opção neste caso.

É evidente, entretanto, que este fármaco não deve ser usado de forma aleatória ou sem adequado acompanhamento médico, assim como o tempo de uso não deve ser indeterminado.

Fonte: deficienciaauditiva.com.br


Um comentário:

  1. Daqui há um tempo teremos muitas pessoas com zumbido e viciados em Clonazepam.

    ResponderExcluir

Os artigos mais populares