Xenobióticos


Xenobióticos são compostos químicos estranhos ao organismo humano. Eles são produzidos pela indústria ou pela natureza, através de vegetais e fungos. Podem ser enquadrados em diversas categorias, como pesticidas agrícolas, inseticidas, plásticos, produtos de limpeza e fármacos.

Nossa sociedade utiliza esses compostos regularmente, sob várias formas, inclusive como medicamentos e antibióticos. Atualmente a ciência busca aperfeiçoar o uso de medicamentos estudando todas as possíveis interações com o nosso organismo, pois os indivíduos respondem de maneira diferente sob ação de determinados fármacos. Um aspecto importante a ser levado em consideração quando o assunto é xenobióticos é: como eles serão metabolizados pelo organismo?

Em sua maioria, eles são metabolizados no fígado através de enzimas. Entretanto, nosso intestino abriga bactérias com papel crucial no metabolismo. Elas participam da biotransformação, na qual um determinado composto sofrerá alteração química ou estrutural importante. Os efeitos dessa biotransformação ainda não são totalmente conhecidos e muitos estudos estão sendo realizados para saber como isso pode variar entre indivíduos de diferentes idades, etnias, hábitos alimentares e ambiente no qual estão inseridos.





Já se sabe que algumas bactérias podem neutralizar a ação de medicamentos, fazendo com que estes sejam inócuos ao organismo, ou pior, nocivos (surtindo efeito contrário em relação ao desejado). Para entender melhor os efeitos de diferentes compostos no organismo humano é importante estudar quais tipos de bactérias estão presentes no intestino e qual a sua função. Por meio de amostras fecais e aplicação de diferentes estratégias, é possível avançar no conhecimento relativo à resposta dos hospedeiros e de sua microbiota em presença de certos compostos.

Para verificar os efeitos de alguns fármacos sobre as bactérias são avaliados o estado fisiológico das suas membranas, especificamente as perdas de polaridade e de integridade e o conteúdo de ácidos nucleicos dessas bactérias em determinado momento, permitindo ver quais as populações bacterianas que estão mais ativas.

Fonte: rc.unesp.br




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares