Imunoglobulina A (IgA)


Representante de 10 a 15 % das imunoglobulinas totais e predomina nos líquidos e secreções, como lágrimas, colostro, leite, secreções traqueobrônquicas, nasais e gastrointestinais. Sua estrutura pode variar, dando origem a duas subclasses: IgA1 e IgA2, a primeira mais encontrada no soro.

Indicação: Auxílio diagnóstico e acompanhamento em doenças que cursam com aumento ou redução dos níveis de IgA, como na deficiência de IgA, doenças autoimunes e mieloma, entre outras.





Interpretação clínica: Pode estar aumentada em relação a outras imunoglobulinas em mieloma gama-A (componente A), cirrose hepática, infeccões crônicas, artrite reumatóide, LES, sarcoidose, síndrome de Wiskott-Aldrich, neoplasias do trato gastrointestinal, exercícios e alcoolismo. Pode estar diminuída na telangiectasia hereditária, disgamaglobulinemia tipo III, má-absorcão, LES, cirrose hepática, doenca de Still, mieloma não Ig-A, macroglobulinemia de Waldenstrom, imunodeficiência adquirida ou primária, contraceptivos orais, anticonvulsivantes, tolueno, xilol, metilprednisolona e mesmo em indivíduos normais.

Está diminuída, em combinacão com a redução de outras imunoglobulinas, nos seguintes casos: agamaglobulinemia adquirida, primária ou secundária, agamaglobulinemia congênita, aplasia tímica hereditária, disgamaglobulinemia tipo I (IgG e IgA baixas e IgM alta), disgamaglobulinemia tipo II (IgA e IgM ausentes e IgG normal)e, ainda, no início da infância sem representar qualquer doença.

Quando positiva no liquor nem sempre é indicativa de infecção do sistema nervoso central (SNC), uma vez que as imunoglobulinas podem ultrapassar a barreira hemato-encefálica.

Fonte: www.alvaro.com.br/laboratorio




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares