Como acontece o risco trombótico com AINEs seletivos?


Os inibidores seletivos de COX-2 inibem a produção de prostaciclina vascular (PGI2), que atua como inibidor da agregação plaquetária e apresenta ação vasodilatadora. Além disso, os inibidores da COX-2 não reduzem a produção endógena de tromboxano A2, um potente ativador da agregação plaquetária.


A soma desses efeitos provoca uma cascata de eventos potencialmente pró-trombóticos que podem acarretar aumento significativo de acidentes cardiovasculares trombóticos, como o infarto do miocárdio, além do acidente vascular cerebral oclusivo.

Tendo em vista que pacientes acometidos por artrite reumatoide já estão correndo riscos cardiovasculares, o uso destes fármacos deve ser bastante criterioso.

Fonte: Fármacos & Medicamentos - Lourival Larini




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares