Excesso de ácido fólico na gravidez pode dobrar o risco de autismo


O ácido fólico é essencial durante a gestação. Ajuda no desenvolvimento neurológico do feto durante o fechamento do tubo neural, que, quando prejudicado, apresenta problemas morfológicos, como anencefalia, fenda palatina e o lábio leporino. No entanto, seu consumo em excesso pode aumentar em duas vezes o risco de autismo nos bebês, segundo novo estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

Pesquisadores analisaram o nível de ácido fólico no sangue de 1.391 mães, logo depois do parto, e de seus filhos durante o período de 1998 a 2013. Os resultados mostraram que as mães de crianças autistas tinham níveis quatro vezes maiores de folato do que o recomendado. Uma a cada dez voluntárias tinham o excesso da substância no sangue.




"O excesso de ácido fólico pode prejudicar os genes que fazem a maturação do encéfalo e causar alguma má formação, podendo desenvolver autismo ou autismo parcial", segundo doutor em obstetrícia pela Unifesp e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas.

Fonte: Bayer

10 comentários:

  1. Mas o qual seria a medida correta e quando passaria para excesso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A dose para suplementação do acido fólico é de 400 µg (0,4 mg) por dia. Como geralmente não encontramos nessa dose específica pode se tomar na dosagem de 1 mg (encontrado nas Farmácias) que não seria tão prejudicial visto que nem sempre absorvemos 100% do que ingerimos. O problema é que o Acido Fólico que o Governo distribui (que é o que a maioria das gestantes tem acesso) vem com uma dosagem de 5 mg, ou seja mais de 10 vezes a dosagem recomendada que é de menos de meio miligrama.

      Excluir
    2. O governo distribui sim a dosagem de 400 mg, mas é em gotas! para postar um texto vazio como esse é melhor não postar nada. Famoso "chama-clique"

      Excluir
    3. O governo distribui o de 5mg comprimido. Tem fundamento sim!

      Excluir
    4. Na unidade de saúde que trabalho há apenas de 5mg. Há fundamento na afirmação de Roberta. Não queiramos tirar a responsabilidade do governo, ao mesmo tempo que não devemos culpá-lo por um risco que ainda não era sabido, muito embora se soubesse já que a dose de 5mg era desnecessária. A verdade é que a incidência de autismo é crescente e exponencial enquanto já melhoramos a incidência de espinha bífida e outros defeitos congênitos do tubo neural. Agora sabendo que o aumento da incidência do autismo pode ter tido influência iatrogênica pela suplementação de folato, as recomendações deverão ser revistas.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Existe um medicamento na disse certa... Dtn-fol

    ResponderExcluir
  4. Então o q e fornecido pelo governo q e de 5mg não é permitido tomar. E prejudicial e isso

    ResponderExcluir
  5. Eu tomei em minha gravidez e tenho um filho autista!Se é coincidência eu não sei!!!!Que um dia a causa é a cura sejam descoberta!

    ResponderExcluir
  6. As pesquisas existem e servem pra alertar e trazer mudanças.
    Que o governo entenda a necessidade de readaptar.

    ResponderExcluir

Os artigos mais populares