Nitrofurantoína - características farmacológicas


A nitrofurantoína, agente antibacteriano específico do trato urinário, é reduzido por flavoproteínas bacterianas a intermediários reativos, que inativam as proteínas ribossomais e outras macromoléculas das bactérias sensíveis, o que inibe os processos bioquímicos vitais de síntese proteica, metabolismo aeróbio, síntese de DNA e RNA e síntese da parede celular bactariana.

Esse amplo mecanismo de ação explica a ausência de resistência bacteriana adquirida à nitrofurantoína. Permite o retardo da solubilização no aparelho gastrintestinal, reduzindo com isso os eventos adversos (náuseas e vômitos) sem, contudo, modificar sua concentração na urina.





As concentrações plasmáticas máximas de nitrofurantoína são atingidas entre 4 a 5 horas após a sua administração. Ela difunde-se nos rins, pelo tecido intersticial e é secretada, reabsorvida e novamente excretada pelos túbulos renais em cerca de 50% ao final de 8 horas. A nitrofurantoína é excretada por via renal, em forma ativa, sendo particularmente eficaz contra Escherichia coli, Enterococcus faecalis e Staphylococcus aureus.

Leia também: Antimicrobianos e infecção urinária

A nitrofurantoína é altamente solúvel na urina e lhe confere uma coloração amarelada. O reduzido teor de eliminação biliar e fecal explica por que a nitrofurantoína atinge pouco a microbiota bacteriana intestinal normal, a qual geralmente se conserva inalterada e equilibrada. O tempo médio estimado para início de ação é de algumas horas.

Fonte: Anvisa


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares