Condições clínicas que exigem uso prolongado de Omeprazol


Esofagite refratária: 40mg/dia dose única. Após cicatrização, terapia de manutenção de 20mg/dia.

Condições de hipersecreção patológica: (como adenomas endócrinos, síndrome de Zollinger-Ellisson e mastocitose sistêmica) é recomendado 60mg uma vez ao dia continuadamente, até manutenção da condição clínica; a maioria dos pacientes têm sido controlados com doses entre 20mg, 1-2 vezes ao dia e doses de até 120mg ou superiores. Doses diárias maiores que 80mg devem ser divididas, geralmente em duas vezes. O tratamento é individualizado conforme condições do paciente e resposta ao tratamento. Alguns pacientes com síndrome de Zollinger-Ellisson têm sido tratados continuamente por mais de 5 anos.

Dispepsia: alívio com dose usual de 10 ou 20mg/dia por 2 a 4 semanas.

Refluxo gastro-esofágico: 20mg uma vez ao dia por 4 a 8 semanas, seguido por mais 4 a 8 semanas para pacientes não responsivos; se a esofagite erosiva reincidir, novo curso de 4-8 semanas poderá ser necessário. Dose de manutenção de 10mg/dia pode ser utilizada, entretanto doses de 20mg/dia apresentaram melhores resultados. É relatado que omeprazol se mostrou seguro e eficaz para terapia prolongada (até 11 anos) em pacientes com refluxo gastro-esofágico grave refratário a antagonistas H2.





Esofagite erosiva: omeprazol 20mg/dia uma vez ao dia para profilaxia; para manutenção da cicatrização: 20mg/dia por até 12 meses. São descritos estudos clínicos de até 12 meses para avaliação da eficácia da terapia.

Úlcera péptica: 20mg/dia dose única ou 40mg/dia (para casos graves ou não responsivos a antagonistas H2). Para úlcera duodenal, manter terapia por 4 a 8 semanas; para úlcera gástrica, manter de 4 a 8 semanas. Para manutenção da cicatrização, terapia com 10mg a 20mg/dia por até 12 meses de terapia total (incluindo as 4-8 semanas iniciais). É descrito que o fabricante não recomenda terapia de manutenção com omeprazol para úlcera duodenal; porém, 20mg uma vez ao dia por seis meses tem se mostrado seguro e efetivo para terapia de manutenção em úlcera duodenal cicatrizada.

Erradicação de Helicobacter pylori em úlcera péptica: 20mg duas vezes ao dia ou 40mg uma vez ao dia, combinado com antibióticos durante 1 a 2 semanas, dependendo da terapia utilizada; após, manter omeprazol 20mg dose única.

Ulceração associada ao uso de anti-inflamatórios não esteroides (AINES): 20mg/dia para tratamento ou profilaxia em pacientes com história de lesão gastroduodenal que requeiram tratamento contínuo com AINE.

Fonte: ufrgs.br




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares