Efeito antipirético de ibuprofeno e dipirona em pacientes pediátricos (estudo comparativo)


Em estudo com o objetivo de determinar se o ibuprofeno em dose oral única proporcionaria efeito antipirético equivalente ou superior ao da dipirona em dose oral única, em pacientes pediátricos febris, os achados indicam que o ibuprofeno determinou uma antipirese mais rápida, mais potente e de duração mais longa do que uma dose oral única de dipirona em crianças randomizadas para o grupo de temperatura alta (39,1ºC).

No grupo de pacientes com febre baixa, o início de ação do ibuprofeno também foi mais rápido em relação à dipirona; neste grupo, porém, a intensidade e a duração do efeito foram semelhantes para os dois fármacos.





Alguns aspectos metodológicos do estudo, entretanto, merecem comentários adicionais. Uma das limitações do estudo foram a baixa velocidade de inclusão de pacientes, particularmente aqueles com temperatura alta, e que não tivessem recebido medicação analgésica, antipirética ou anti-inflamatória nas últimas 6-12 horas, demonstrando claramente a tendência disseminada de automedicação entre a população.

Adicionalmente, a análise pode eventualmente conduzir a um viés, por não estimar o efeito antipirético nos pacientes que saíram do estudo. A posologia utilizada de dipirona neste estudo foi de 15 mg/kg, contra 10mg/kg de ibuprofeno.

Cabe ressaltar que a dose, empírica e equivocadamente empregada pelos profissionais de saúde, assim como por pacientes e cuidadores, é muitas vezes de 1 gota/kg (considerando-se as formulações em que 1 gota equivale a 25 mg, de modo a exceder recomendações). Esse fator contribui para a percepção eventual de eficácia antipirética superior da dipirona em relação a outros fármacos.

Fonte: Moreira Jr




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares