Mecanismos de resistência da Candida albicans aos antifúngicos


A resistência envolve mecanismos moleculares e pode ser intrínseca ou adquirida. A resistência intrínseca é uma característica fenotípica de determinada espécie de microrganismo e confere a ele a resistência inata antes da exposição deste ao antifúngico. Isso ocorre, por exemplo, com a espécie de C. krusei, que possui resistência intrínseca ao fluconazol.

A resistência adquirida ocorre em microrganismos que desenvolveram mutações após a exposição ao antifúngico e posteriormente houve a seleção, sobrevivência e proliferação daqueles mutantes resistentes. Fatores de transcrição mutantes contribuem com a formação de resistência microbiológica aos antifúngicos.

A resistência que ocorre em C. albicans inclui uma variação que tem como fundo a descendência clonal. A falta de recombinação sexual leva à aquisição de resistência a drogas através da plasticidade do genoma e aumento de taxas de mutação e de recombinação mitóticas. Entretanto, a resistência mediada por bombas de efluxo é uma das mais comuns.

Fonte: rbac.org.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares