EUA cercam indústrias farmacêuticas após milhares de mortes por opiáceos


Os Estados Unidos declararam guerra às empresas que estão por trás da série de mortes pelo consumo de opiáceos. Mais de 400 cidades, condados e organizações interpuseram uma ação conjunta contra os fabricantes e distribuidores dos potentes analgésicos. Quase todos os Estados lançaram pesquisas contra a indústria farmacêutica e vários deles cogitam unir-se ao litígio coletivo.

O Governo federal apoia esse caminho e não descarta apresentar sua própria denúncia. Empresas gigantescas são acusadas de publicidade enganosa e de esconder dos consumidores o potencial de vício dos comprimidos de opiáceos. De serem cúmplices de uma feroz epidemia que assola os EUA: todos os dias morrem de overdose mais de 150 pessoas.




Leia também: Tramadol e risco de hospitalização por hipoglicemia

“É uma crise, uma epidemia. Todo mundo sabe, todo mundo sente, então acredito que todos devemos começar a trabalhar em conjunto”, diz em uma entrevista o juiz Dan Aaron Polster. Temido pelas poderosas indústrias farmacêuticas.

As estatísticas são assustadoras. Em 2016, último ano com números fechados, morreram cerca de 64.000 norte-americanos por overdose. Cerca de 75% foram provocadas pelo abuso de comprimidos analgésicos, heroína ou fentanil. Os recordes são quebrados todos os anos. A estimativa provisória de 2017 chega a 66.000 mortes.

Fonte: El País


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares