Síntese, captação e liberação da acetilcolina


A Colina-O-Acetil-Transferase (ChAT) é a enzima responsável pela síntese da Ach a partir de acetil-coenzima A e colina. A glicerofosforilcolina, a fosforilcolina e a fosfatidilcolina geram a colina que é utilizada como substrato e transportada para o SNC através da circulação sanguínea.

Assim, as fontes de colina para a síntese de Ach provêm da circulação, além da sua recaptação após a liberação e degradação desse neurotransmissor. Uma vez sintetizada, parte da Ach é transportada e armazenada em vesículas sinápticas. Esse processo é realizado por um transportador vesicular de Ach (VAChT), capaz de elevar em até 100 vezes sua concentração no interior dessas vesículas. Após ser liberada inteiramente por exocitose, a Ach interage especificamente com os receptores colinérgicos presentes nas membranas pré e póssinápticas.

A ação da acetilcolina cessa quando é hidrolisada em acetato e colina pela enzima acetilcolinesterase (AChE), presente na fenda sináptica. Atualmente existem descritos dois tipos de colinesterases que incluem: a) enzimas com alta afinidade para a Ach ligadas à membrana neuronal e presentes em todas as sinapses colinérgicas; b) enzimas com alta afinidade para a butirilcolina, também chamadas de butiril-acetil-colinesterases (BchE) presentes em todos os tecidos

A AChE é a enzima de maior eficiência catalítica conhecida na atualidade e pode apresentar diferentes isoformas, que podem ser classificadas como globulares ou assimétricas, dependendo da sua conformação espacial.

Fonte: Scielo




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os artigos mais populares