Aprovado novo tratamento para câncer de pulmão


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anuncia a aprovação de uma nova opção de tratamento para câncer de pulmão de não pequenas células avançado com mutação ALK, que acomete, em sua maioria, mulheres jovens e não fumantes. Trata-se do Alecensa® (alectinibe).

O estudo ALEX, que baseou a aprovação, demonstrou que o uso de alectinibe reduziu em mais da metade, o risco de progressão da doença, em comparação com o tratamento padrão atual, estendendo o tempo médio de vida sem o agravamento do câncer de menos de um ano para mais de dois anos”. Mostrou, ainda, redução de mais de 80% no risco de desenvolvimento de metástase cerebral.

Trata-se de um medicamento oral criado pela Chugai, centro de desenvolvimento do Grupo Roche no Japão, para o tratamento de pacientes com câncer de pulmão de não pequenas células (CPNPC) cujos tumores são identificados como positivos para alteração do gene ALK.

Alectinibe está atualmente aprovado nos Estados Unidos, Europa, Kwait, Israel, Hong Kong, Canadá, Coreia do Sul, Suíça, Índia, Austrália, Singapura e Taiwan para o tratamento de CPNPC avançado (metastático) positivo para ALK, cuja doença se agravou após outro tratamento ou para aqueles que não puderam tolerar o tratamento com crizotinibe.

Fonte: roche.com.br


Aspirina Prevent® segue sem previsão de reabastecimento


A Bayer informou, em comunicado do dia 31/01/2019 disponibilizado em seu site, que ainda não é possível determinar uma data precisa para o reabastecimento do medicamento Aspirina Prevent® nas concentrações de 100mg e 300mg no mercado.

A falta temporária do medicamento consiste na modernização da fábrica, uma vez que o impacto das obras reduziu a capacidade de produção de alguns dos produtos.

A empresa disponibiliza o serviço de atendimento ao consumidor para esclarecimento de dúvidas e salienta que informará quando a situação for regularizada.

Fonte: bayer.com.br


Entra em vigor a Lei 13.732/18


Entrou em vigor nesta quinta-feira, dia 7 de fevereiro, a Lei 13.732/18, que torna válidas em todo território nacional as prescrições, independentemente do Estado em que tenham sido emitidas. A Lei altera o artigo 35 da Lei nº 5.991/73, que trata do controle sanitário do comércio de medicamentos, e vale inclusive para medicamentos sujeitos ao controle sanitário especial, nos termos disciplinados em regulamento.

A iniciativa tem o objetivo de beneficiar os pacientes que estão em tratamento e precisam viajar ou se consultar em outro estado.

Segundo ofício circular da Anvisa para as Vigilâncias Sanitárias estaduais, as regras para aceitação de receitas de controle especial e de notificações de receita A emitidas em outros estados permanecem as mesmas, ou seja, o farmacêutico deve apresentá-las à Vigilância Sanitária no prazo de 72 horas para averiguação e visto. Já para os demais receituários controlados, não há essa exigência.

Clique sobre a imagem para ampliá-la
Fonte: crfsp.org.br


Os artigos mais populares