Há um ano, Olcadil® foi retirado do mercado. Pacientes adaptados?


Já se passou um ano desde o desabastecimento do medicamento Olcadil® (cloxazolam) nas drogarias, acompanhado de posterior decisão da Novartis de descontinuá-lo em definitivo, devido à dificuldade para aquisição do princípio ativo.

Este benzodiazepínico possuía algumas particularidades, que eram vistas como pontos positivos aos pacientes adaptados ao tratamento. Algumas das características do cloxazolam:

· Maior potência em relação ao diazepam na função ansiolítica e menor sedação;
· Rapidamente absorvido, com rápido início de ação;
· O pico de concentração sérico ocorre em uma hora e tem meia-vida de 40 horas, podendo ser administrado em dose única diária;
· As doses de cloxazolam podem ser individualizadas e mantidas baixas, desde que eficazes;
· A associação com antidepressivos promove o alívio dos sintomas desde o início do tratamento para transtornos ansiosos, contribuindo para adesão ao esquema terapêutico.

Como ficaram os pacientes de lá para cá? Todos adaptados a outra alternativa disponível? Você, como profissional atuante em um estabelecimento de saúde, ainda registra relatos sobre este medicamento? Compartilhe conosco a sua experiência!


Descontinuação temporária de Flagyl® 400mg


Em comunicado disponibilizado pelo site da empresa, a Sanofi informa que protocolou, em 07/03/2019, perante a ANVISA, a descontinuação temporária de fabricação do medicamento Flagyl® 400mg (metronidazol), devido a questões relacionadas ao fornecimento do principio ativo.

A Sanofi informa que existem alternativas terapêuticas disponíveis, porém recomenda aos pacientes que procurem o seu médico para orientações sobre o tratamento.

Fonte: sanofi.com.br


Aprovado tratamento preventivo contra enxaqueca


A Anvisa aprovou, em 25 de março de 2019, o primeiro tratamento preventivo específico para enxaqueca no país. Trata-se do medicamento biológico erenumabe, comercialmente registrado como Pasurta. Ele será comercializado pela Novartis no Brasil e a previsão é de que a população poderá adquiri-lo já no primeiro semestre de 2019.

Erenumabe é o primeiro anticorpo monoclonal totalmente humano desenvolvido especificamente para bloquear os receptores do peptídeo relacionado com os genes de calcitonina (CGRP), responsável por desencadear crises de enxaqueca.

Os níveis de CGRP sobem durante as crises e se normalizam quando elas acabam. Em estudo internacional, a eficácia do erenumabe na prevenção da doença foi demonstrada e a segurança é comparável ao uso de placebo. O medicamento já conta com aprovação nos Estados Unidos e Europa.

Fonte: novartis.com.br


Conheça as vacinas contra gripe aprovadas para 2019


Seis vacinas contra gripe (influenza) tiveram aprovação da Anvisa para uso no Brasil em 2019. Os produtos autorizados são os que fizeram a atualização das cepas do vírus da gripe, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Resolução RE 2.714, de outubro de 2018, da Agência. São eles:

- Fluarix Tetra – GlaxoSmithKline Brasil Ltda.
- Influvac – Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.
- Influvac Tetra – Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.
- Vacina influenza trivalente (fragmentada e inativada) – Instituto Butantan.
- Vacina Influenza Trivalente (subunitária, inativada) – Medstar Importação e Exportação Eireli.
- Vaxigrip – Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda.

As vacinas influenza trivalentes a serem usadas no país, neste ano, devem conter, obrigatoriamente, três tipos de cepas de vírus em combinação e devem observar as seguintes especificações:

– Um vírus similar ao vírus influenza A/Michigan/45/2015 (H1N1) pdm09.
– Um vírus similar ao vírus influenza A/Switzerland/8060/2017 (H3N2).
– Um vírus similar ao vírus influenza B/Colorado/06/2017 (linhagem B/Victoria/2/87).

As vacinas influenza quadrivalentes, contendo dois tipos de cepas do vírus influenza B, deverão conter um vírus similar ao vírus influenza B/Phuket/3073/2013 (linhagem B/Yamagata/16/88), adicionalmente aos três tipos de cepas especificadas acima.

Fonte: ANVISA


Os artigos mais populares